Xicuembo (versão 3.0)

memórias & resmungos do Carlos Gil

A minha fotografia
Nome:

carlosgil2006@gmail.com

quinta-feira, agosto 04, 2005

"Mamas"

Mais cedo ou mais tarde tinha de me espraiar neste tema. Sabia-o como inevitável. Por isso mãos à obra, na ausência das ditas a quem aconchegar na palma da mão vou estender o meu reverente arado nesta folha branca e contá-las, acariciá-las se a tanto as letras crescerem e chegarem.
Tantas foram as vezes em que prometi a mim que não o faria como tantas aquelas em que, perdido no olhar do seu ocasional contorno que a paisagem me oferece e brinda, esboço mentalmente frases que delas, mamas, fossem dignas da sua protuberante essência. Quantas vezes suspirei intimamente à sua vista, já não pela sua carícia em tacto pois a idade aconselha a viver pacificamente com as glórias que ela tornou inacessíveis, mas lambendo em gula de escrita as linhas que dão texto, as rimas que dão sorrisos, as letras que as contassem, uma a uma ou melhor: ao par, pois de gémea paixão se trata.
"um dia farei um post de cem linhas sobre mamas". "não, não posso". "podes sim, e cem é pouco". Digladio-me entre a tentação e a vergonha em revelá-la, sucumbo em transe à sua visão que me persegue na exacta estatística que as abunda, e pego furiosamente na caneta na dolorosa incapacidade de a todas acariciar, oscular, vero. Cem linhas? e chegarão para descobrir ardores, destapar emoções, os tremores íntimos que me acometem à sua visão e perigam a estabilidade míope das convenções que teimam em afastar da mesa os melhores manjares a um palato que teima em manter-se e acreditar-se esfomeado? Tentemos, então. Tento, pois se o seio feminino é tão farto como belo, com tal tema e por seu preito a linha por certo não rogará desenhos vistosos, aqui e ali com pedúnculo florido e estirpe afogueada, que depositam no bico das ditas, as mamas, o beijo irreverente que elas me merecem mas não ouso dar em sonoro e lambido estalido.
Vive-se a canícula e os animais soltam o pêlo, desejosos de liberdade aos poros que sentem e suam a sua primitiva animalidade, de libertarem a epiderme de mantas que de tantos rigores nasceram. Os humanos dão o exemplo e vão-se adornos, exibindo-se em glória e loa de cio os dotes e argumentos de especificidade que preenchem o imaginário quando os olhos sorriem, valendo o que valem quando no escurinho soa a glosada 'hora da verdade', e então ronronam, felizes. Nelas, fêmeas, o visível destaque vai para os seus peitos que sempre foram o primeiro símbolo da diferença sexual, e então mostram e exibem as glândulas mamárias como em disputa por troféu das mais tentadoras e apetecíveis, íman de olhos tristemente impotentes de nelas não soltar sequiosas mãos. Talvez por vezes montra de ilusões que os desenganos mais tarde revelam, mas sempre a tal promissória que nos faz crer que a conta-correnta da vida recebeu um inesperado depósito de alento, sopro para cima apto a equilibrar qualquer saldo.
Basta percorrer uma rua mais movimentada, um café afreguesado, qualquer local da moda. A variedade de mamas à vista é tal, queira-se passar despercebido e sobreviver só à custa de discretas miradelas, mesmo assim, é viagem mista de tormento e de sonho, idílio e suplício que afoga qualquer realidade e subalterniza tudo o que vá além dos decotes, dumas mais alçadas outras mais maneirinhas, as fartas que abrem apetites de lautos banquetes ou aquelas que na concha da mão caberiam na perfeita formatação da carícia que se idealiza e em segredo se suspira. Sempre com os apetitosos bicos proeminentes e bem visíveis a olho ávido, tentadores, aptos a fazer perigar cura e sacristão da paróquia mais casta e provecta. As mamas são "um mundo", cada qual um par de jóias onde oficiaria por devoção toda a profunda fé que na sua celestialidade professo. Para terminar o abuso comparativo, só aliço a montra da confeitaria onde o guloso que se preze cola o seu nariz ranhoso, encantadamente feliz por se sonhar a trincar e a lamber, a provar e a saciar-se.
Mentiria com mais dentes que os que tenho se dissesse e contasse que, ao vê-las semi-reveladas em generosos decotes, as via ou imaginava de imediato totalmente nuas. Era presunção bastarda pois em linhas ora marotas vos conto que gosto de olhá-las assim, semi tudo, gosto. Com parte oculta que é ancoradouro onde ergo e solto velame a todo o pano, mastro erguido à força do sonho, gávea por vezes até lacrimante pois lá no alto roçam-se nuvens de húmidos humores.
Não renego nem enjeito miradela avaliadora às mamas de calendário mas é das que comigo se cruzam sob Sol e sob Lua que os meus olhos se embeiçam e enfeitiçam, a fábrica de sonhos alvoraçada e bater asas por esses decotes acima e abaixo. Tantas anónimas mas também tantas com donas conhecidas. Mamas reais, mamas de mulheres reais, tantas com nome e muitas mais que dele nem tom nem sintaxe algum dia conhecerei. Acalmem-se as minhas amigas que, curiosas, até aqui leram e ora coram, tentando recordar algum olhar mais descarado ou pior dissimulado, revelador dos apetites e fixações aqui revelados. A minha devoção à causa mamária, se se mantém master neste já algo longo percurso de viver, adquiriu tiques e manhas, sublimou exteriorizações indiscretas e soube aprender a ocultar indícios reveladores. Sendo completa verdade que nenhuma de vocês sobrevive à minha paixão avaliadora por seios, e em tal missa diária todas participam mal assomam à minha esquina, por recato, pudor, e também respeito, os meus olhos por elas e por vós não suspiram mais que de macho que se estime e goste de ser estimado, discreta homenagem à fêmea que faz florir dias e recuar calendários. Guardo no meu íntimo o foguetório que me inspiram, embora descaradamente também confesse em como espero e desejo que o meu brilho de olhos por vezes o revele. Quando, nalgumas vezes em que o meu olhar se perde no céu e nas nuvens, ou numa abelha que passeia numa folha, 'aéreo', não estou de vós ausente e perdido em mundos imaginários. Pelo contrário, nas nuvens moldo contornos que adivinho entre ais secretos, e na abelha que passeia indolentemente entre os veios da folha ou pétala entrevejo e sonho dedos acariciantes, perdidos na celestial textura dos vossos peitos.
Por vezes neste longo caminhar da vida também me calha prémio farto, e soletro de novo o ritual iniciático de bem acariciar um novo seio. Descoberta que é incessante encanto renovado a cada novo par, um novo mundo que de mão trémula invade egos e enrouquece gemidos e sussurros, e que se revela ao ritmo do rosáceo revelar da sua altiva crista, barómetro de desejos e de permissões, erecto convite a sensuais beijos, ávidos chupos, lentos mordiscares. Penso que é melhor parar. Não só porque muito provavelmente as "cem linhas" já eram, também porque intimamente já suo e o meu olhar já deverá mostrar um aspecto vítreo e alucinado quando olho para a mesa da frente, onde me espreitam e espevitam dois mui latos exemplos. Que vou analiticamente observar, discretamente, é claro.

5 Comments:

Anonymous Tareca said...

Sinto saudades deles todos, e tuas Carlos, beijocas

sexta-feira, agosto 05, 2005 4:13:00 da manhã  
Blogger th said...

eheheh...tu gozas e nós nos divertimos...lol

sexta-feira, agosto 05, 2005 12:15:00 da tarde  
Anonymous IO said...

E porque não havias tu de falar de 'mamas'? - vês como há quem se delicie a ler? - beijo, uma que só leu o título porque tem que ir escrever um 'post' sobre viagens lol.

sexta-feira, agosto 05, 2005 5:05:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

read your blog, think you'd be really interested in this website

sexta-feira, agosto 05, 2005 6:15:00 da tarde  
Blogger Guida Alves said...

Eheheheh!!! Só li o título e duas ou três linhas, prometo ler o resto mais logo. B'jocas.

sexta-feira, agosto 05, 2005 10:31:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Fight Spam! Click Here!