Xicuembo (versão 3.0)

memórias & resmungos do Carlos Gil

A minha fotografia
Nome:

carlosgil2006@gmail.com

terça-feira, janeiro 31, 2006

Amor

Alonga-se a caneta em trejeitos graciosos quando te escrevo. Em letras miudinhas, certas, bonitas, esta mão apura-se e afina-se para a caligrafia de te escrever.
O á é perfeito, bem desenhado na sua inclinação por ti. Segue-se o éme com as perninhas todas do mesmo tamanho, gémeas como eu me sinto quando te escrevo e imagino-te lendo-me. O ó, é o óvulo da criação, berço do sentimento: dele nasce a razão desta caligrafia desenhada, sem ele assim traçado a palavra seria um genérico vago que não entenderias quando a lesses, decapitada do érre galante que sempre me acontece e torna-me a mão firme quando te escrevo, meu amor.

5 Comments:

Blogger grzl said...

nem todas as cartas de amor são ridículas.
um abraço
graziela

terça-feira, janeiro 31, 2006 3:57:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Verdadeiramente bonito, do mais belo que o moço já escreveu. Uma sem postiço.

terça-feira, janeiro 31, 2006 4:23:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Lindo, lindo. Assim ninguém te resiste.Beijos.

terça-feira, janeiro 31, 2006 6:20:00 da tarde  
Blogger th said...

Amor erudito...gostei, mas porquê com letra pequena???

terça-feira, janeiro 31, 2006 7:26:00 da tarde  
Blogger Carlos Gil said...

terna? íntima? sei lá... escrevo o amor sempre em letras pequeninas

terça-feira, janeiro 31, 2006 8:01:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Fight Spam! Click Here!