Xicuembo (versão 3.0)

memórias & resmungos do Carlos Gil

A minha fotografia
Nome:

carlosgil2006@gmail.com

quarta-feira, setembro 07, 2005

Cherchez la femme

Há pouco, na resposta ao inquérito, poderá parecer que me estendi demais e poderia ter sido mais sintético e menos palavroso para dizer o mesmo. Verdade incompleta.
Porque relendo o escrito termino sempre com a sensação de que há algo que ficou por contar, palavras curtas em matéria que as mereceria mais vastas. Texto longo mas que se sente curto em parte que não se lobriga mas que se adivinha essencial, está coxo sem se saber onde tropeça, sabem qual é a sensação?
De tanto magicar onde seria acho que descortinei a lacuna, e até o porquê da mesma. Vá-se lá saber porquê chamei inconscientemente o censor e, falando nas 'pitas', muito apressadamente saltei dos seus caracóis para as unhas dos pés, deixando um embaraçoso vazio em tanto centímetro que, per si, cada um merece tratado, compêndio, guia e manual de apreciação. Foi tão insultuoso para 51% da humanidade como entrar no atelier dum artista e só ter olhos e voz para a peça dita mais cara, ou para a mais polémica segundo a crítica, ignorando de forma abezerrada todo o tanto que permitiu tal apogeu. Shame on you, mr. Gil...
Tê-lo-ei feito por complexo castrador de verbalização quando se escreve/fala/comenta/analisa matéria que por convenção será assexuada. Como se tal fosse possível fora de verdes prados e de floridos jardins, onde plantas e flores nascem e morrem sem suspiros lânguidos (e, mesmo aí já nada juro... porque é sensual o abraço da trepadeira ao tronco da árvore, o florir da pétala que se abre e oferece a sua intimidade à luz que a penetra e beija, e haverá secreta lascívia nas raízes que, subterrâneamente, entre si trocam lentas carícias...), bafo de letras que surge e se lê como decepado sem golpe de artista quando em cena está a Mulher.
Por tão grave erro ora me penitencio, jurando-vos que todas as palavras não ditas, ora e em silêncio contivo em mim e para mim as escrevi. E com um sorriso convido-vos a soletrá-las comigo neste silêncio cúmplice em que os lábios formulam o esboço dum sorriso, gostoso, bonito, porque não assexuado...

Fight Spam! Click Here!